sexta-feira, 28 de agosto de 2020
Austin rebaixa os ratings das Séries Seniores (245ª e 248ª Séries), Mezaninas (246ª e 249ª Séries) e Subordinadas (247ª e 250ª Séries) da 1ª Emissão de CRIs da Fortesec, com risco Terrazul CJ SPE (Grupo THCM); perspectiva negativa
A Austin Rating informa que, no dia 24 de agosto de 2020, rebaixou os ratings das Séries Seniores I e II (245ª e 248ª Séries), de ‘brBBB-(sf)’ para ‘brBB+(sf)’, das Séries Mezaninas I e II (246ª e 249ª Séries), de ‘brBB+(sf)’ para ‘brBB-(sf)’, e das Séries Subordinadas I e II (247ª e 250ª Séries), de ‘brBB(sf)’ para ‘brB(sf)’, todas da 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRIs/ Emissão) da Forte Securitizadora S/A (Fortesec/ Emissora/ Estruturador). Na mesma ocasião, foi removida a observação negativa sobre as classificações, que passaram a ter perspectiva negativa. O rebaixamento dos ratings se deu diretamente em razão do aumento significativo da inadimplência de créditos que compõem a carteira que serve de lastro para a Emissão, a partir de fev/20, da constatação de desenquadramento do percentual mínimo de cobertura para os CRIs das Séries Mezaninas e Subordinadas ao longo do 1º semestre de 2020 e do atraso na entrega das unidades (lotes) e na emissão de Termo de Vistoria de Obras (TVO), esta última originalmente prevista para mar/20, mas, atualmente, sem previsão. Os eventos que motivaram o rebaixamento estão relacionados, em larga medida, ao cenário provocado pela COVID-19, de modo que, na ausência de controle completo da evolução dessa epidemia no atual momento, uma eventual piora no estágio de sua disseminação no estado de São Paulo e, particularmente, em Cajamar-SP, se coloca, em conjunto com a já esperada redução do auxílio emergencial do Governo Federal, como fator que pode causar o aprofundamento dos impactos negativos sobre a carteira (distratos e inadimplência) e, consequentemente, para a liquidez da transação. Esse ponto de preocupação é particularmente reforçado pelo estágio das obras e pelo elevado Loan-to-Value (LTV) da carteira e está refletido na perspectiva negativa associada aos ratings. A Emissão foi realizada em jun/19 pelo principal total de R$ 10,0 milhões, sendo R$ 5,0 milhões relativos às Séries Seniores, R$ 2,5 milhões relativos às Séries Mezaninas e R$ 2,5 milhões relativos às Séries Subordinadas. O prazo remanescente da Emissão é de 81 meses, com vencimento final previsto para abr/27. Os CRIs são atualizados pelo IGPM/FGV, acrescido da remuneração correspondente a 10,5% para os CRIs Seniores, 11,0% para os CRIs Mezaninos e 15,8% para os CRIs Subordinados. O saldo devedor global atualizado em jun/20 era de R$ 8,0 milhões.