sexta-feira, 24 de abril de 2020
Austin coloca em observação negativa os ratings dos CRIs das Séries Seniores (193ª e 195ª) e Subordinadas (194ª e 196ª) da 1ª emissão de CRIs da Fortesec - risco Pôr do Sol Urbanizações Ltda.
A Austin Rating informa que, em reunião realizada no dia 20 de abril de 2020, colocou em observação negativa os ratings de crédito de longo prazo ‘brBB-(sf)’ das Séries Seniores (193ª e 195ª Séries) e ‘brB-(sf)’ das Séries Subordinadas (194ª e 196ª Séries) da 1ª Emissão de Certificados de Recebíveis Imobiliários (CRI/ Emissão) da Forte Securitizadora S/A (Fortesec). A Emissão é lastreada em 821 Cédulas de Crédito Imobiliário (CCIs/ Créditos Imobiliários) representativas de Contratos de Venda e Compra (Contratos Imobiliários/ Créditos Lastro) firmados por pessoas físicas e jurídicas (Devedores/ Mutuários) para a aquisição de unidades (Lotes) dos residenciais Santa Clara e Parque das Laranjeiras (Empreendimentos / Residenciais) desenvolvidos pela a Pôr do Sol Urbanizações Ltda. (Pôr do Sol/ Cedente). Ambos os Empreendimentos já foram finalizados e entregues. Em termos de participação de carteira (Carteira Lastro), o Residencial Santa Clara possui maior representatividade, respondendo por 61,0% dos Créditos Lastro, o equivalente a 259,2% do saldo devedor da Emissão. Já o Parque das Laranjeiras equivale a 39,0% da carteira, representando 226,2% do saldo devedor da Emissão. A Emissão foi realizada em out/18 pelo principal total de R$ 50,0 milhões, sendo R$ 25,0 milhões relativos à 193ª e 195ª Séries Seniores e R$ 25,0 milhões a 194ª e 196ª Séries Subordinada, portanto, com 50,0% de subordinação inicial. O prazo remanescente da Emissão é de 106 meses, com vencimento final previsto para out/28. O saldo devedor global atualizado em jan/20 era de R$ 39,9 milhões, sendo R$ 19,8 milhões das Séries 193ª e 195ª e R$ 20,1 milhões das Séries 194ª e 196ª. A observação negativa indica a possibilidade rebaixamento das classificações no curto prazo e foi motivada, principalmente, pela piora do cenário econômico a partir da COVID-19 e suas possíveis implicações negativas para a carteira de créditos que serve de lastro para as Séries de CRIs.